Que isso Bela?: Texto: As memórias do meu avô.

3 de mar de 2013

Texto: As memórias do meu avô.

Quase todos os fins de tarde, eu sento para tomar café com meu avô. No começo não era uma das minhas coisas prediletas, mas com o tempo percebi que ele sorri por que está comigo, como ele gostar de me contar suas histórias e com isso, passei a amar esses fins de tarde. Mesmo que às vezes ele repita a história, eu a ouço com atenção e pergunto algumas coisas, sem me importar se já a ouvi. Outro dia, ele me contou como conheceu minha avó e embora ela já tenha falecido, quando ele fala dela o rosto dele se ilumina, ele repete trilhões de vezes como ela era linda, como parecia um anjo, ah sem dúvidas, essa é uma das minhas histórias favoritas. Tem dias, que ele conta como era a vida  na roça e como era viver entre os trezes irmãos e um banheiro só, dou boas risadas com essa história. Meu avô é um poço interminável de histórias, lendas urbanas, poemas... E quando ele me conta como era a vida no passado, percebo que o mundo desenvolveu tanto e percebo o quão ele é sábio. Ele tem cabelos grisalhos, usa óculos e às vezes não ouve muito bem. Ele tem quase setenta anos e adora quando conto algumas das minhas histórias, dos luares que já visitei, das lojas, das novas tecnologias... Ele abre um sorriso enorme quando chego da escola, percebo como ele adora quando eu elogio sua comida. Ele fala errado muitas coisas, isso faz dele especial. Ele é simples, não sabe mexer no meu celular e não entende alguns filmes. Ele é um figurão, às vezes fala alto demais e dá umas risadas esquisitas. Mas eu me orgulho dele e queria que todas as pessoas pudessem ter um avô cheio de memórias que contar igual o meu. E quando ele vai na escola pegar o meu boletim, faço questão de apresentá-lo à todos meus amigos. Não só para que eles vejam o excelente avô que eu tenho, mas também para fazê-lo feliz. Seu sorriso amarelado é um dos mais bonitos que eu já vi,  talvez pela sua simplicidade, talvez seja por quê o amo. Mas posso afirmar que meu avô, é o melhor do melhor do mundo e não só por contar histórias e fazer companhia, mas por ser quem ele é.

Um comentário:

  1. Confesso que esse texto me fez chorar, e em emocionar muito. Lembrei de quando meu avô estava vivo, e viviamos conversando, contando piadas, de quando a noite ele chegava com pão quentinho e me chamava pra comer *___*
    Aproveite TODO o tempo possível que tiver com ele, sinto falta do meu <3


    Con amore, Donna Yellow ♥

    maybe yellow

    ResponderExcluir

- Pode falar palavrão, eu não ligo, também falo um monte.
- Aceito apenas tags.
- Aceito "segue de volta?" se comentar algo relativo ao post também.
- Críticas construtivas são sempre bem-vidas.